Adoção de adultos

adoção, filhos, herdeiros, adulto, infantil

A adoção no Japão é um assunto que pode surpreender: por ano, aproximadamente 80 mil japoneses são adotados e 90% desse número são homens adultos de 20 a 30 anos.

Isso significa que a maioria dos interessados em adoção não busca uma criança para educar, mas um homem que já tenha formação completa. Estamos falando de uma prática empresarial que busca respeitar a tradição japonesa.

É assim: se a empresa é vista como um negócio familiar, ela só pode ser herdada por um filho homem. Se a família não tem um filho homem ou se quer que outra pessoa fique no comando dos negócios, o jeito é adotar o escolhido para que ele ganhe o nome da família. Essa prática é chamada Mukoyoshi.

Se possível, o ideal é casar o filho adotivo com uma filha biológica para reforçar o laço familiar. Nesse caso, é esperado que o recém-chegado, além de ter as competências que a empresa exige, se comprometa a ser um marido e pai atencioso. Essa prática é chamada Omiai.

E veja só, existe até um site de encontros! Neles, as mulheres procuram por maridos dispostos a serem adotados por suas famílias.

O objetivo é respeitar a tradição de herança e ter o melhor administrador para a empresa. Pois, além de perpetuar o nome da família, o adotado deve ter o perfil ideal para zelar pela prosperidade dos negócios.