Akiko Yosano, a poetisa revolucionária

poesia, livros, textos, poema, amor, publicações

Se você gosta de poesia japonesa, já deve ter ouvido o nome: Akiko Yosano. Uma mulher à frente de seu tempo, a poetisa Akiko fez revolução com suas obras literárias. Desde criança lia livros que estavam disponíveis no acervo de seu pai, que também era fã de uma boa leitura.

Na vida adulta, a artista começou a frequentar espaços de debates de livros, como o Seinen Bungaku-ka, uma espécie de Associação de Literatos Jovens de Naniwa.

No grupo de leitura, Akiko conheceu o homem que mudaria sua vida profissional e amorosa, o poeta Hiroshi, mais conhecido pelo nome artístico Tekkan Yosano. Foi a partir do seu caso de amor com Tekkan que ela fez o projeto Midaregami (Cabelos Revoltos), sua primeira coletânea de sucesso, divulgada na revista Myôjô a convite do próprio Tekkan.

Seus textos românticos, eróticos e dramáticos seguiam o estilo Tanka, um formato tradicional de poema. A composição desse estilo de poesia é feita em 31 sílabas em Japonês, que corresponde a cinco versos da versão Inglesa dos poemas. Pela primeira vez alguém colocou palavras que até então nunca tinham sido usadas: chibusa (seios), hada (pele), kuchibiru (lábios). Confira um dos versos Tanka da artista:

Tanka VI

Quando um rapaz entra

pelo portão da perfumaria

numa noite de luar na primavera

na Kyoto de baixo

penso: que meigo!

Foi a partir de sua atitude um tanto quanto rebelde para a época que Akiko colocou no papel poesias relacionadas a atos de protestos, de amor, de emancipação das mulheres e da beleza do corpo feminino. O livro se tornou uma verdadeira revolução, destacando seu trabalho como um dos mais modernos da época. No total, publicou mais de 20 coleções de tanka.

Outro formato muito usado pela poetisa foram os versos livres, conhecidos como shi. Um dos versos mais famosos da artista foi escrito a seu irmão, que tinha acabado de ser convocado para servir na guerra: “Kimi shi ni tamau koto nacare” (Não morras, meu querido). Sua publicação na revista Myôjô foi alvo de fortes críticas por se tratar de um conteúdo patriota da guerra russo-japonesa.