Hanami, a arte de se contemplar as floradas no Japão

Wasabi, da cozinha para a prevenção de doenças

Contemplar as flores e reverenciar a natureza: no Japão, esses comportamentos têm nome, chama-se “hanami”. É como um evento e motivo pelo qual as pessoas se encontram em torno das árvores de cerejeiras, durante a primavera. Por ali, costuma-se ficar horas observando a natureza, muitas vezes com festas durante o dia ou a noite. De curta duração, cerca de uma semana a dez dias, o fenômeno é bastante aguardado pelos japoneses e torna-se até atração turística em muitas cidades.

Por todo o país, parques, templos, algumas áreas de lazer e ruas são embelezadas pelas cores das flores, que variam entre branco e rosado e exalam uma agradável fragrância.

“É um momento muito especial e, com o intuito de aproveitar ao máximo a beleza das flores, os japoneses chegam de manhã a esses locais e, em muitos casos, costumam ficar até escurecer, quando elas são iluminadas pelo brilho da lua”, destaca a brasileira residente no Japão, Marília Okazaki. Há 20 anos, a paulistana contempla as floradas com os filhos e marido. “Nesta ocasião, reunimos a família para conhecermos a cultura local e trocar ideias com os próprios japoneses”, descreve.

O programa inclui atividades que ajudam a passar o tempo, como piqueniques com cestas carregadas de guloseimas e bebidas. Em festivais, pode haver demonstrações artísticas de dança tradicional, taikô (instrumento de percussão) e luta. É comum, também, as pessoas levarem câmeras para registrar os momentos.

Ao final do período, um imenso tapete se forma com as flores caídas das árvores e as pétalas espalhadas pelo chão, cobrindo e colorindo todo o caminho. Daí, só resta esperar pela próxima florada.

“O Japão ensina muito a respeitar e contemplar a natureza. Aprendemos constantemente a dar valor a fatos corriqueiros do cotidiano, como contemplar a beleza das flores. Nos locais, vemos diferentes tipos de pessoas reunidas, sempre em harmonia. Com certeza, a prática do hanami traz um equilíbrio interno e uma sensação de paz”, finaliza Okazaki.