Máscaras no Japão são usadas para diferentes finalidades

prevenção, virose, remédios, sintomas, enfermidade, alergia, rinite

A população japonesa já atingiu cerca de 120 milhões de habitantes, por isso as pessoas têm o costume de usar máscaras para se protegerem de vírus transmissíveis e da poluição.

No verão, a chance de pegar uma virose é tão grande quanto ficar gripado no inverno. Por isso, usar a proteção no rosto é sinal de respeito. A aglomeração de pessoas facilita a propagação de vírus, então, todos se sentem na obrigação de cooperar.

Já existem máscaras medicadas para o usuário inalar remédios, que melhoram sintomas de enfermidades durante o dia, e máscaras que umidificam a garganta na hora de dormir.

Na primavera, o pólen dos ciprestes e cedros - árvore nacional do Japão - provoca uma reação chamada Kafunsho, sintoma conhecido também como febre do feno e, por incrível que pareça, não provoca febre. Os sintomas são parecidos com os da gripe.

As possibilidades de uso se multiplicaram igual à variedade de formato.

No Japão, já virou tendência às pessoas usarem máscaras em quase todos os lugares públicos. Existem modelos que afinam o rosto e outros feitos especialmente para quem usa óculos.

Uma pesquisa feita pela Corporação Unicharm, empresa japonesa de produtos para higiene pessoal, mostrou que as vendas arrecadaram cerca de ¥ 37,5 bilhões a mais de 2005 a 2015. Já imaginou se a moda pega aqui no Brasil?