Nihon Shuwa: a língua de sinais japonesa

Nihon Shuwa: a língua de sinais japonesa

No Japão, 320 mil pessoas têm problemas de audição. A forma de comunicação de 95% dos deficientes auditivos é a Língua Japonesa de Sinais, conhecida como Nihon Shuwa ou pela sigla JSL – Japanese Sign Language. Antigamente, o termo usado era o Temane.

O Nihon Shuwa foi oficializado em 2011 e se difere das Línguas de Sinais Ocidentais, se aproximando da linguagem usada em Taiwan e Coréia do Sul. Suas manifestações vão além do uso das mãos e dos braços, as expressões faciais incluindo olhos, sobrancelhas e boca também são aplicadas.

Nos anos 70, as pessoas surdas eram classificadas como deficientes mentais e seus direitos eram excluídos, como ter carteira de motorista ou assinar contratos. Foi em 1862 que emissários foram enviados à Europa para aprender mais sobre a surdez. Após 16 anos, Yozo Yamao, um dos emissários, ajudou a construir as primeiras escolas japonesas para pessoas com deficiência auditiva.

No entanto, muitas escolas foram fechadas ao longo dos anos, mas a inclusão social continua de forma regular em escolas que têm salas especiais com professores ensinando por meio do Nihon Shuwa.