Último ninja vivo não tem aprendiz

Último ninja vivo não tem aprendiz

Aos 66 anos, Jinichi Kawakami acredita que não há espaço para os ninjas nos dias de hoje.

Um engenheiro aposentado de 66 anos é considerado como o último ninja real existente no Japão. Jinichi Kawakami é apontado pelo Museu Iga-ryū (especializado na arte marcial do ninjutsu) como o último representante do clã Ban –uma linhagem com mais de 500 anos de tradição na formação de ninjas.

A trajetória de Kawakami na arte do ninjutsu começou aos 6 anos, quando passou a ser treinado pelo mestre Masazo Ishida. Sem entender direito o que estava aprendendo, o garoto pensava que os ensinamentos seriam usados para atividades ilegais, até que aos 10 anos percebeu que seria um ninja.

Durante seu aprendizado, Jinichi teve que suportar temperaturas extremas de calor e frio, assim como fome e dor, além de desenvolver seus sentidos a ponto de ouvir uma agulha caindo em um piso de madeira. Com o treinamento físico, veio também o intelectual, como o conhecimento de química, para produzir venenos e explosivos, e de psicologia para estar sempre à frente de seus oponentes e surpreendê-los.

Aos 19 anos, ele herdou o título de mestre e todo o material de estudo e as ferramentas usadas ao longo da existência do clã Ban foram honradas. Mas não passou para ninguém o que aprendeu por acreditar que os ninjas não se encaixam nos tempos modernos.