Planejamento de Gastos no Japão

O que colocar no papel antes de viajar

Fique atento e coloque os gastos na ponta do lápis para não subestimar o valor que será dispensado durante a permanência no país.

O fato de os salários serem mais altos é apenas um reflexo do custo de vida – também elevado. É sempre bom conhecer alguém que já morou ou está por lá para ter uma ideia concreta em relação aos gastos com alimentação, moradia, transporte e educação. Confira algumas dicas:

Custos dependem da localização

    Tenha cautela na hora de escolher onde ficar. Tóquio, por exemplo, não é recomendada, pois, apesar de oferecer os melhores salários, tem um dos custos de vida mais altos. Se procura condições mais favoráveis aos decasséguis, vá até a província de Aichi. É onde está a maior concentração de brasileiros residentes no país e também é considerado um dos principais polos industriais, com destaque para o setor automobilístico.

Quanto levar de dinheiro

    Leve o suficiente para se manter no primeiro mês. Algumas empreiteiras fornecem adiantamento para suas despesas iniciais, o que inclui a viagem e os primeiros dias no país.

    Mas saiba que terá de quitar estes valores assim que receber os primeiros salários. Para não ter surpresas desagradáveis, antes de embarcar, solicite à agência responsável por sua contratação uma previsão de ganhos e gastos, principalmente nos primeiros meses.

    Nos gastos adicionais, considere ainda as ligações para o Brasil, inicialmente mais frequentes e longas.

Quem viaja por conta própria

    Muitas agências oferecem o parcelamento das passagens, que varia de 3 a 10 vezes. Você pode pagar apenas após receber o primeiro salário. É tudo questão de negociar previamente.

Moradia no Japão

    No Japão, o aluguel é pago antes de vencer o mês. A maioria dos proprietários exige, como garantia, depósito caução que equivale a 3 meses de aluguel. No fim do contrato, a quantia é devolvida ao inquilino.

    Há situações em que o proprietário também exige o pagamento do chamado dinheiro das chaves ou rei-kin, quantia que não é devolvida ao inquilino. A imobiliária cobra ainda comissão, que corresponde a um mês de aluguel. Em caso de rescisão do contrato – kaiyaku –, avise ao proprietário com um mês de antecedência.

Alimentação mais em conta

    O ideal é levar almoço pronto para o trabalho. Outra dica para gastar menos é se enquadrar aos costumes de lá, pois quem procurar por comidas típicas brasileiras como feijão, bife e batata, pagará um preço mais alto.

Locomoção

    Se você morar próximo ao local de trabalho, a dica é fazer como os japoneses – usar a bicicleta. Algumas empreiteiras oferecem o serviço de transporte ao trabalho, com vans para locomoção dos empregados.

Educação

    Aqueles que vão com a família devem considerar os gastos com educação. Os filhos menores de 6 anos podem ir para uma creche. O custo depende da renda familiar. Se estão no ensino fundamental, podem ser matriculados nas escolas públicas.

Disciplina financeira

    Com identidade de estrangeiro e emprego assegurado, os contratantes, em geral, abrem conta-corrente em um banco japonês para facilitar o gerenciamento do dinheiro. Se possível, peça a abertura de conta em um banco brasileiro com presença no Japão. Se não for possível, a melhor alternativa é ter contas em ambos perfis.

    O Bradesco oferece este serviço – o que facilita o gerenciamento das transferências de recursos entre Japão e Brasil. Assim, o cliente acessa as mesmas comodidades oferecidas aos correntistas que estão no Brasil.