Sobre o Japão

Perfil e costumes

Cotidiano

Brasileiros que vão ao Japão, geralmente, pertencem a famílias de origem japonesa. Com isso, imaginam que a mudança será mais fácil. Mas as diferenças de costumes e tradições são grandes. Então, informe-se antes de arrumar as malas. Se vai com filhos em idade escolar, pesquise sobre o sistema de ensino para assegurar uma integração mais rápida e tranquila das crianças.

Alguns dados sobre o Japão:

Dados gerais

Nome oficial do país

Capital

Língua oficial

Moeda

Religião

Calendário

Nippon

Tóquio

Japonês

Yen ou iene ( ¥ )

Xintoísmo e budismo (84%)

O ano de 2017 equivale ao 29.º da Era Heisei no calendário japonês

Geografia

Total

Principais ilhas

Comparação

377.746 km²

Dividido em 4 grandes ilhas: Honshu, Kyushu, Shikoku e Hokkaido e 6,48 outras menores

Território japonês corresponde a1/22 da área do Brasil e é menor do que o Estado de Minas Gerais


População

Total

População urbana

Densidade demográfica

Renda bruta nacional per capita

126,9 milhões (em 2015)

75% do total

345 pessoas por km2 (2015)

US$ 32.486 (2015)


Economia

Produto Interno Bruto

Exportações

Importações

Principais parceiros comerciais

US$ 4.123.000 (2015)

US$ 624 bilhões (2015)

US$ 625 bilhões (2015)

EUA, China, Europa Ocidental e Sudeste Asiático


Feriados

No Japão, quando um feriado é domingo, comemora-se somente no dia seguinte.

E se os feriados ocorrerem em dias alternados na mesma semana – 3 e 5 de maio, por exemplo –, o dia intercalado é considerado feriado também – ou seja, 4 de maio é feriado.

Veja todos os feriados
  • Data
  • 1º de Janeiro
  • 15 de Janeiro
  • 11 de Fevereiro
  • 3 de Março
  • 21 de Março
  • 29 de Abril
  • 3 de Maio
  • 5 de Maio
  • 20 de Julho
  • 15 de Setembro
  • 23 de Setembro
  • 14 de Outubro
  • 3 de Novembro
  • 23 de Novembro
  • 23 de Dezembro
  • Feriado
  • Ano-Novo
  • Dia da Maioridade
  • Dia da Fundação do País
  • Festival das Bonecas (Dia das Meninas)
  • Equinócio da Primavera
  • Dia do Verde
  • Dia da Constituição
  • Dia das Crianças (Dia dos Meninos)
  • Dia do Mar
  • Dia de Respeito aos Idosos
  • Equinócio do Outono
  • Dia do Esporte e Saúde
  • Dia da Cultura
  • Dia da Ação de Graças
  • Aniversário do Imperador
Politica

Se vai passar alguns anos no Japão, conheça como funciona o sistema político. Saiba que o Japão é um império com democracia parlamentarista.

Família Imperial é a dinastia mais antiga do mundo

O imperador é o símbolo do Estado, mas ele não possui poderes relacionados ao governo. Simbolizada pela flor de crisântemo, a Família Imperial Japonesa é a mais antiga dinastia do mundo. O atual imperador, Akihito, ascendeu ao trono em janeiro de 1989, após a morte de seu pai, o imperador Hirohito (também conhecido como imperador Showa). Com isso, iniciou-se uma nova era no calendário japonês, a Heisei. Este ano equivale ao 29º ano da Era Heisei no calendário japonês.

A forma de governo é baseada na Constituição de 1947. Assim como no Brasil, a lei japonesa prevê poderes independentes - Executivo, Legislativo e Judiciário.

Executivo

Como em todo sistema parlamentarista, o Poder Executivo é representado pelo gabinete do primeiro-ministro, que, além do premiê, conta ainda com, no máximo, outros 20 ministros de Estado. Eleito pelo Parlamento, o primeiro-ministro é responsável pela nomeação do juiz-chefe e de outros magistrados da Suprema Corte.

Legislativo - Parlamento

O Parlamento é a autoridade suprema do Legislativo. É constituído pelas Câmaras:

  • Baixa ou dos Deputados – com 480 cadeiras
  • Alta ou dos Conselheiros – com 252 cadeiras

O mandato dos deputados é de 4 anos, enquanto o dos conselheiros é de 6 anos. Na Câmara-Alta, metade dos assentos deve ser renovada a cada 3 anos.

Judiciário

Formado por um Supremo Tribunal, 8 altas Cortes, tribunais distritais e vários tribunais sumários, o sistema judiciário japonês é independente do Executivo e Legislativo. Além do presidente, o Supremo é composto por outros 14 magistrados, todos nomeados pelo gabinete do premiê.

Educação

O sistema educacional japonês reflete a cultura do país, e a adaptação pode ser difícil, mesmo para os mais velhos e que vão para concluir graduação ou pós-graduação. Se você vai ao Japão com filhos em idade escolar, informe-se sobre o sistema de educação para facilitar a integração deles. Abaixo, as principais informações.

Carga horária é de 5 dias na semana

    No sistema de ensino japonês, a carga horária é de 5 dias. O calendário escolar é dividido em 3 períodos, mas algumas escolas adotam calendário semelhante ao brasileiro, com 2 períodos. O ano letivo começa em 1º de abril.

Maioria dos alunos frequenta escola pública

    No Japão, quase não há analfabetos. O índice é inferior a 1%. Mesmo com escolas privadas, a maioria dos alunos frequenta colégios públicos no ensino fundamental - 90% dos estudantes primários e 70% dos secundários. Apesar de o ensino médio kookoo não ser obrigatório, em torno de 96% das crianças que concluem a segunda etapa do fundamental chugakko passam para esse nível. Dentre elas, 38% vão para o superior.

Pré-escola não é obrigatória, e só pais que trabalham têm direito à creche

    Assim como no Brasil, o ensino pré-escolar não é obrigatório. Se você quiser matricular os filhos na pré-escola, há 2 opções: jardim de infância yochien ou creche hoikuen. Há instituições públicas de ensino pré-escolar, mas a maioria é privada (60%). Só podem inscrever os filhos nas creches os pais que trabalham mais de 5 horas por dia.

O ensino fundamental é obrigatório

    As crianças são obrigadas a completar o ensino fundamental, que dura 9 anos e se divide em 2 etapas: shogakko e chugakko. Essa lei não é estendida aos estrangeiros, mas isso não impede que eles se inscrevam no sistema educacional japonês.

    Shogakko

    A primeira etapa dura 6 anos e corresponde da 1.ª à 6.ª série, é chamada de shogakko, ou ensino elementar. As classes contam com até 40 alunos.

    Chugakko

    A segunda etapa dura 3 anos e é chamada de chugakko – ou colegial júnior. As classes têm 30 alunos.

Principais diferenças entre o currículo oriental e brasileiro

    Fora a língua japonesa, há aulas de educação doméstica, cotidiano (mistura ciências e estudos sociais) e moralidade (importância das outras pessoas). Também há atividades extracurriculares, em que as crianças aprendem a pensar e dar opiniões, tomando decisões próprias e resolvendo seus problemas.

Ensino médio (Kookoo) é opcional e dura 3 anos

    O ensino médio, denominado kookoodura, dura 3 anos. Para cursar, o estudante presta exame semelhante ao vestibular. Mas alguns colégios têm cursos unificados de chugakko e kookoo. Os estrangeiros que não concluíram o estudo fundamental no Japão podem fazer o exame e ainda têm acesso às instituições com vagas específicas. Os decasséguis que querem ingressar nas instituições públicas precisam da aprovação do diretor de cada escola, que avalia seu nível de estudo.

Ensino superior em duas versões: 2 ou 4 anos

    O jovem opta pelo curso de curta duração (2 anos), chamado de tanki daigaku, ou o curso universitário – de 4 anos. Em torno de 88% das faculdades de curta duração e 75% das universidades japonesas são privadas. As 2 formações estão disponíveis para os estrangeiros.

Para fazer matrícula escolar, registre a família na prefeitura

    Ao chegar no Japão, a primeira atitude para assegurar a matrícula dos filhos na escola é registrar a família na prefeitura como estrangeira. Depois, é só entrar com pedido de matrícula no ensino público.

    Os estudantes que entram no 1o ano do ensino fundamental (shogakko) preenchem o Guia Informativo sobre Ingresso Escolar. A permissão para Ingresso Escolar de Estudantes Estrangeiros, com nome e localização do estabelecimento indicado para a criança, será enviada para sua casa ou entregue na repartição da prefeitura.

    Para matricular o filho em uma escola japonesa, leve certidão de nascimento do menor, carteira de vacinação, boletim e histórico escolar. Serão aceitos papéis traduzidos em japonês por um tradutor juramentado.

    No primeiro dia de aula, o responsável pela criança informará o professor sobre a vida escolar dela e uso do idioma japonês. Entre os dados pessoais, estado de saúde e costumes alimentares, também é preciso informar: local de residência, telefone do intérprete e meio de transporte que ele usará para ir e voltar da escola.

    O Ministério da Educação (MEC) do Brasil oferece uma lista de escolas brasileiras no Japão, assim como dos cursos supletivos: Confira.

Modo de vida

Conheça alguns aspectos do dia a dia dos japoneses.

Maioria da população vive em áreas urbanas

    Aproximadamente, 75% da população japonesa vive nas zonas urbanas. A mudança aconteceu após a 2ª Guerra Mundial, período em que muitas famílias abandonaram a região rural e foram para as cidades. Até as moradias mudaram. As mais antigas eram de madeira e sustentadas por pilares. Hoje, a maioria vive em apartamentos, com estilo próximo ao ocidental. Mesmo com toda a modernidade, os japoneses preservam alguns costumes ancestrais, como tirar o sapato ao entrar em casa.

Arroz é item principal da alimentação

    O arroz cozido, base da alimentação japonesa, é incluído em todas as refeições, desde o café da manhã até o jantar. Uma refeição japonesa típica é composta de arroz branco, peixe, algum tipo de vegetal cozido ou em conserva (tsukemono) e sopa.

    Outro ingrediente bem comum é o macarrão, originário da China. A bebida predileta é o chá-verde, servido nas refeições ou em reuniões, de forma semelhante ao café brasileiro. Outras bebidas populares são o chá-preto, o shochu (aguardente de arroz) e umeshu (licor de ameixa). Há também o saquê. Produzido à base de arroz, é a bebida alcoólica mais popular da gastronomia japonesa.

Quimonos são usados em ocasiões especiais

    Feito de seda e com mangas largas, o quimono foi por muitos anos o traje tradicional entre os japoneses. Mas hoje, a vestimenta japonesa aproxima-se cada vez mais da ocidental, sobretudo entre os jovens. Os quimonos são usados apenas em ocasiões especiais, como casamentos e graduações.

Transporte ferroviário é o mais usado

    Os meios de transporte no Japão foram os que mais se beneficiaram com o avanço tecnológico nas últimas 5 décadas. Afinal, os trens-bala (shinkansen) desenvolvidos em 1964, hoje são usados em vários países europeus. Mas o traço marcante do sistema de transporte japonês é a geografia. Por ser um país composto por ilhas com múltiplas montanhas, onde cidadãos e produtos se deslocam em uma longa faixa litorânea, a ferrovia é o meio preferido da população. Rodovias e navios são os meios mais usados para cargas.

Respeite os idosos e a hierarquia

    O povo japonês respeita muito a hierarquia. Tanto que os mais velhos, ou de cargo mais alto, são tratados de maneira formal e polida. O tema é tão importante que, em 15 de setembro, há um feriado nacional para comemorar o Dia do Respeito ao Idoso.

O cumprimento

    Os japoneses são bem diferentes dos brasileiros na hora de cumprimentar alguém. Primeiro, observe o movimento dos orientais antes de cumprimentá-los, pois, mesmo que alguns adotem o aperto de mão como saudação, a maioria ainda prefere se curvar como demonstração de respeito.

    Como no Brasil, o grau de intimidade é que determinará a forma correta de cumprimento. No primeiro encontro, o mais adequado é iniciar a frase com a reverência hajimemashite (prazer em conhecê-lo), seguida de uma apresentação
    formal - neste caso, deve-se começar pelo sobrenome.

Veja lista com outras curiosidades para facilitar sua rotina no país
  • Retire os sapatos antes de entrar em alguma residência. É considerada falta de educação andar no tatame de calçados
  • Jamais use branco em encontros com japoneses, a não ser em funerais, pois esta é a cor da morte. Apresentar-se com roupas brancas é sinal de mau agouro
  • Mesmo em dias de extremo calor, não ande sem camisa na rua, pois isso é extremamente desrespeitoso
  • Na hora de brindar, nunca diga tim tim (que significa órgão sexual masculino, em japonês), a palavra correta é kampai
  • Não se ofenda se um japonês fizer o sinal de ok com as mãos, pois, apesar de malvisto no Brasil, significa está bem no Japão. Já o gesto de figa, comum no Brasil, é malvisto no Oriente
Cultura

A maneira mais rápida de se adaptar é conhecer o país. Confira algumas informações para entender um pouco mais dessa cultura milenar.

As principais religiões – xintoísmo e budismo

    Ambas são doutrinas que chegaram ao Japão pela influência de estrangeiros e que resultaram da convergência com outras tradições. O xintoísmo é politeísta, fruto da interação com o budismo, uma vez que as divindades são consideradas encarnações dos entes budistas.

Origami é filosofia de vida

    A arte do origami (dobradura de papel) surgiu há mais de 2 mil anos, na China, e foi levada ao Japão entre os séculos VI e X, com o papel, por monges budistas chineses. A popularização só ocorreu em 1876, ao fazer parte do currículo escolar.
    O origami é uma filosofia de vida em que a primeira dobradura deve ser muito bem feita para que o papel fique em pé. Isso tem uma analogia com a vida, pois sem uma boa estrutura, não há como ficar em pé. A figura mais famosa do origami é o tsuru (garça).

Ikebana homenageia a natureza e os deuses

    A palavra ikebana é um dos termos usados para denominar arranjo de flor e resulta da admiração dos japoneses pela natureza. Também reflete a crença da população de que os deuses só podem ser invocados em um local especial, indicado por uma flor ou árvore. Os arranjos seguem o tempo, a estação e o crescimento do material empregado. Exemplo: o passado é representado por flores desabrochadas ou folhas secas. O presente, por flores parcialmente desabrochadas ou folhas perfeitas, enquanto o futuro contém botões, que sugerem crescimento.

Shodo – a arte da caligrafia existe há 3 mil anos

    A arte da caligrafia japonesa, shodo, é o retrato de um país que preserva a memória. Com mais de 3 mil anos, é desenvolvida com um pincel de crina de cavalo, tinta preta (sumi) e papel artesanal (washi) com textura perfeita para a produção de borrões. A palavra tem origem na combinação de sho, que significa caligrafia e de do, que significa caminho. Mesmo que seja escrito o mesmo ideograma (kanji), cada shodo é único, pois deriva de diferentes tonalidades de tinta, pressão e velocidade de escrita. Por isso, é considerado uma obra de arte.

Japoneses praticam esporte para estabelecer disciplina e caráter

    Os japoneses adoram esporte e a prática faz parte da cultura do país. Para eles, o exercício físico é fundamental para estabelecer disciplina e formação do caráter. O apoio a um esportista depende mais da sua dedicação e esforço do que do resultado obtido. Assim, o uso da expressão gambatte, que significa dê o melhor de si, é comum em eventos desportivos. A valorização é tanta que virou feriado nacional. O Dia dos Esportes é comemorado em 14 de outubro. A data coincide com a abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 1964, primeira olimpíada organizada na Ásia.