Decasséguis de Volta ao Brasil

Planejamento facilita adaptação

Planejando o retorno?

Após alguns anos no exterior, retornar ao Brasil é motivo de alegria, mas também de incerteza. Antes de arrumar as malas, reflita sobre o assunto, analise se está preparado para a volta, se alcançou todos os projetos no Japão e tenha em mente o que pretende fazer no Brasil.

Essas questões são esquecidas diante da emoção do reencontro com a família, mas, após os primeiros meses, muitos percebem que o retorno foi precipitado. Leia algumas dicas antes de retornar:


Choque cultural e dificuldades cotidianas

Você terá de se readaptar a alguns hábitos que hoje podem ser vistos com outros olhos. Ponha no papel também questões práticas, como moradia, escolha da escola para a qual as crianças serão transferidas e qual a melhor época de mudança.

Mantenha a calma para não fazer dívidas

A sensação de que o tempo passa e o dinheiro que tanto lutou para economizar está sendo gasto pode ser um problema. Para sair desta situação, muitos perdem a paciência e abrem empresa sem ter a devida experiência. O resultado é acúmulo de dívida e o consequente pesadelo financeiro.

Arrume emprego ou invista em um negócio

Se o objetivo é encontrar um emprego, se informe sobre as condições do mercado de sua área de atuação. Também descubra o que pode fazer, enquanto estiver no Japão, para melhorar as chances de garantir uma vaga ao retornar ao Brasil.

Por outro lado, se você quer abrir um negócio próprio, tenha prudência: analise em que área pode atuar e quais os recursos necessários e se informe sobre as linhas de crédito existentes. Ter uma reserva para se manter durante o período inicial, em que sua empresa não está em fase de lucros, também é interessante.

Crianças também exigem cuidado na adaptação

Ao levar a família ao Japão, o retorno exige mais cuidado. Dependendo da idade com que a criança viajou e do tempo que passou no país, a adaptação ao sistema de ensino e à cultura brasileira será difícil.

Por isso, mesmo se já tiver fluência no idioma local, mantenha a criança fluente também em português. Assim, o retorno ao Brasil será menos complexo.

Estimule a leitura de revistas e livros em português e a exposição à música, comida, noticiários e filmes brasileiros. Opte pelo retorno em dezembro ou janeiro para seu filho não chegar com o ano letivo em andamento.

Por outro lado, como o calendário escolar japonês é diferente, há a chance de a criança voltar sem ter concluído o ano letivo. Pense bem as possibilidades.

Os pais devem ficar atentos à documentação escolar dos filhos. A falta de algum comprovante dificulta a matrícula e adia o regresso do aluno ao sistema de ensino brasileiro. Abaixo, o que fazer para matricular os filhos no Brasil:

Os documentos escolares da criança precisam ser traduzidos

Traduza os documentos escolares da criança do japonês para o português com um tradutor juramentado no Brasil ou Japão. Os papéis receberão visto do cônsul brasileiro no Japão ou do cônsul japonês no Brasil. São necessários documentos de todas as escolas em que cursou.

Pais ou responsáveis fazem a matrícula

Os pais ou responsáveis legais fazem a matrícula do aluno até os 18 anos. Os estrangeiros precisam ter visto de permanência. Escolha uma escola em que a criança tenha antigos amigos, parentes ou alunos em situação semelhante. Para fazer a inscrição, leve:

  • Certidão de Nascimento – original e cópia
  • Identidade dos pais ou documento que comprove que é responsável legal pelo estudante – original e cópia
  • Comprovante de residência – original e cópia
  • Requerimento à direção do estabelecimento de ensino, pedindo equivalência de estudos e matrícula
  • Documentos escolares – original e cópia
Obtenha equivalência e revalidação de certificados

Se seu filho concluiu o curso no Japão, terá de revalidar o diploma ou o certificado de conclusão que obteve no país. O processo é realizado pelos Núcleos Regionais de Educação. Seguem os documentos necessários:

  • Identidade – original e cópia
  • Documentos estrangeiros das séries cursadas – original e cópia
  • Disciplinas, notas e resultado final, com visto do cônsul brasileiro no Japão
  • Tradução oficial, por profissional juramentado, da documentação escolar
  • Pedido de equivalência e revalidação de estudos à direção do colégio credenciado

Para saber mais, procure a Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social – Bunkyo –, que oferece apoio a quem deseja voltar ao País.