Tornando-se um Empreendedor

Planejamento e controle são essenciais

Se você retornou do Japão e quer abrir um negócio no Brasil, mas tem dúvidas, o Sebrae, em parceria com o Bradesco Nikkei, oferece todo o apoio.

O sucesso de um empreendimento depende de uma boa gestão, sobretudo na área financeira. Não adianta só contratar um bom contador se você não compreender como funciona os demonstrativos financeiros da sua empresa. Antes de abrir um negócio, conheça os principais pontos para administrá-lo.

Demonstrativos financeiros facilitam gestão de negócio

A gestão financeira de uma empresa não é muito diferente da administração do orçamento pessoal. Se você tem o hábito de planejar os gastos, não terá dificuldade em entender os demonstrativos de uma empresa.

O primeiro passo é não misturar as finanças pessoais com as da pessoa jurídica.Em geral, os demonstrativos financeiros são elaborados a partir de 3 documentos - Balanço Patrimonial, Demonstrativo de Resultados e Demonstração de Origens e Aplicação de Recursos (Doar).

Balanço patrimonial retrata a situação da empresa

É um dos principais demonstrativos financeiros e mostra o que a empresa possui (ativo), o quanto deve (passivo) e quanto capital os acionistas investiram (patrimônio líquido). Pode-se dizer que o balanço patrimonial de uma empresa que inicia as atividades ilustra como os recursos obtidos com os acionistas (patrimônio) ou credores (dívidas) são usados na compra dos ativos.

Demonstrativos de resultados detalham a saúde do negócio

O documento detalha e quantifica o que a empresa recebe, o quanto gasta, assim como o lucro ou prejuízo em determinado intervalo de tempo. Com base nessa análise, o negociante estima o quanto pode retirar da companhia ou, em caso de prejuízo, o quanto precisa investir para equilibrar o caixa.

Fluxo de caixa aponta como gerar e aplicar recursos

No Brasil, a demonstração de fluxo de caixa é conhecida pela sigla Doar, que significa Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos. A utilidade do fluxo de caixa é identificar de que forma a empresa gera recursos (origens) e como ela os utiliza (aplicações).

Se as origens (recursos obtidos pela empresa) superam as aplicações, o caixa da empresa aumenta. Por outro lado, se a firma tem aplicações maiores do que as origens durante um tempo, então, no mesmo período, o caixa diminui.

Para mais informações, acesse sebrae.com.br.

Como administrar seu negócio

Vontade e determinação são fatores importantes para o sucesso de uma nova empresa, mas, sem conhecimento, podem não bastar. O monitoramento e o melhor entendimento de como funciona o controle do seu negócio, como os de vendas, compras, estoque e de caixa, são essenciais. Veja abaixo:

Controles administrativos

Os diversos demonstrativos financeiros de uma empresa, por tratar de dados históricos, funcionam como uma fotografia da situação empresarial. Mas só é possível entender como alcançar o objetivo desejado por meio de mecanismos de controle financeiro, administrativo e das projeções de resultados.

Se você não está familiarizado com o funcionamento básico dos demonstrativos financeiros de uma empresa, é bom ficar atento, para garantir o sucesso de seu empreendimento.

Controle de vendas

Com ele, o empreendedor prevê receitas futuras e tem ideia da geração de caixa. Pode estimar o prazo médio concedido nas vendas a prazo, além do índice de inadimplência entre os clientes.

Controle de compras

Similar ao de vendas, esse monitoramento permite que o negociante estime o prazo médio de compras da firma. Ele deve coordenar a data de reposição do estoque com os períodos em que a empresa tem mais disponibilidade de caixa.

A possibilidade de pagar as mercadorias à vista permite a negociação de termos mais favoráveis com os fornecedores.

Controle de estoque

É essencial para o empresário saber o quanto tem investido, seja em matéria-prima ou mercadoria final. Necessário também para a gestão do caixa, pois excessos podem comprometer a saúde financeira da empresa.

Controle de caixa

É o mecanismo de controle financeiro mais adotado. Sem ele, o proprietário corre o risco de, no fim do mês, não ter caixa suficiente para arcar com as despesas.

O controle de caixa deve ser diário ou semanal. Nos demais controles, o mais comum é o monitoramento mensal.

Planejamento reduz dificuldades

Mesmo que o empresário dedique um tempo razoável ao planejamento financeiro, pode cometer falhas. Para evitá-las, compare o resultado das projeções com aqueles obtidos historicamente pela empresa.

Se os ganhos forem muitos diferentes dos registrados, é sinal de que algum dos pontos abaixo podem não ter sido avaliados com precisão.


Saiba o que fazer para vencer as dificuldades mais comuns:

Otimismo na projeção do volume de vendas

Ao avaliar aumento no volume de vendas, leve em conta as capacidades de produção e de venda do negócio. Faça estimativa da taxa de crescimento para o setor como um todo e, com base nisto, avalie o potencial de mercado e a participação de sua firma.

Seja realista. Não estime ganhos expressivos de participação de mercado, sobretudo, se no plano financeiro esses lucros não foram compensados por um aumento em investimentos como contratação de mão de obra, compra de máquinas, gastos com publicidade etc.

Previsão de custos operacionais

Mesmo que os custos fixos, como o nome sugere, fiquem estáveis com o aumento do volume de produção, existem exceções. Por isso, não considere apenas o aumento dos custos variáveis, ignorando o impacto do acréscimo da produção nos valores fixos, como é o caso do aluguel - que pode subir com a ampliação da produção.

Caso aumente as vendas, identifique todos os custos adicionais. Inclua gastos com impostos sobre o faturamento, encargos sociais sobre a folha de pagamentos e, se precisar de um financiamento para investir na produção, os juros desse empréstimo.

Subestimar capital necessário

Não subestime a necessidade do capital da firma. Se for preciso investir em infraestrutura, como compra de equipamentos e aumento de instalações, não esqueça de verificar o impacto sobre o capital de giro

Faça reserva de emergência de, no mínimo, 3 meses de despesas correntes da empresa. Invista o dinheiro em aplicações líquidas, que podem ser usadas quando o negócio tiver necessidades de caixa por atraso de clientes etc.

Determinação do preço

A projeção de um aumento no volume de vendas implica na política de preços. Muitas vezes, esse efeito é ignorado. Por exemplo, se não há alterações no mercado e a firma começar a produzir mais, precisará de uma estratégia promocional para vender a produção adicional. A ação pode ser feita por meio de gastos extras com marketing e publicidade, o que reduz a margem de lucro. Se o preço diminui e as despesas aumentam, isso mostra um erro na previsão de lucro.

Incerteza das projeções

Um dos maiores problemas ao usar projeções como ferramenta de planejamento é a incerteza. Afinal, existe o risco de as previsões não se concretizarem, o que pode colocar a empresa em dificuldades. É necessário cuidado na elaboração das hipóteses e recomenda-se a produção de cenários distintos para que o empresário tenha visão ampla do que pode acontecer. O mais aconselhável é elaborar três cenários diferentes: otimista, pessimista e neutro.

Empresas fecham por falta de experiência gerencial

Levantamento do Sebrae aponta que, entre as razões pelas quais as firmas fecharam as portas, a principal é a falta de experiência gerencial. Outros comuns são a falta de capital de giro e de clientes. Isso demonstra a importância do planejamento financeiro no sucesso de uma empresa.

Plano de negócios mostra como vencer as barreiras

Ao planejar o próprio negócio, o empreendedor é forçado a refletir sobre os objetivos a serem alcançados e como conquistá-los. O plano de negócios auxilia a identificar o caminho mais curto e seguro para transformar projetos em empresas de sucesso. Para isso, responda a 3 questões básicas:

Onde você está?

O plano de negócios permite análise cuidadosa da viabilidade do projeto. Organize as ideias de maneira formal ao responder questões como:


  • Qual a situação do setor em que pretende atuar?
  • Qual o diferencial que sua firma tem em relação aos competidores?
  • Qual é o público-alvo?
  • Quais são os fornecedores?
  • Quantos profissionais serão necessários?

Onde quero chegar?

Para alcançar seus objetivos, analise quanto pretende investir, seja em tempo ou em recursos financeiros. Depois, elabore um projeto do quanto que a empresa pode faturar e quais os custos operacionais. Pular esta etapa pode implicar dificuldades de geração de capital de giro e equilíbrio financeiro. Se não tem experiência gerencial e está inseguro, procure entidades especializadas, como o Sebrae.

Qual o melhor caminho?

Os questionamentos sobre a trajetória deve incluir discussões dos temas listados abaixo:


  • Localização e estrutura do negócio
  • Perfil dos profissionais
  • Produtos oferecidos
  • Margens aplicadas
  • Esforço de vendas
  • Comunicação com o cliente